Prece, de Fernando Pessoa

Prece, Fernando Pessoa

Senhor, que és o céu e a terra, que és a vida e a morte! O sol és tu e a lua és tu e o vento és tu. Tu és os nossos corpos e as nossas almas e o nosso amor és tu também. Onde nada está tu habitas e onde tudo está – (o teu templo)  – eis o teu corpo.

Dá-me alma para te servir e alma para te amar. Dá-me vista para te ver sempre no céu e na terra, ouvidos para te ouvir no vento e no mar, e mãos para trabalhar em teu nome.

Torna-me puro como a água e alto como o céu. Que não haja lama nas estradas dos meus pensamentos nem folhas mortas nas lagoas dos meus propósitos. Faze com que eu saiba amar os outros como irmãos e servir-te como a um pai. […]

Minha vida seja digna da tua presença. Meu corpo seja digno da terra, tua cama. Minha alma possa aparecer diante de ti como um filho que volta ao lar.

Torna-me grande como o Sol, para que eu te possa adorar em mim; e torna-me puro como a lua, para que eu te possa rezar em mim; e torna-me claro como o dia para que eu te possa ver sempre em mim e rezar-te e adorar-te.

Senhor, protege-me e ampara-me. Dá-me que eu me sinta teu. Senhor, livra-me de mim.

 

Retirado do livro O Eu Profundo – Obras em Prosa, 1976.

Um amigo, de Filipe Cézar

Um amigo

O companheiro

o meu querido amigo.

Que tantas coisas com ele passei

E que me ajudou como

Eu o ajudei.

Estamos aqui desde a

Primeira vez…

Um amigo é importante

Quando temos um amigo

Não nos sentimos só.

Nos sentimos felizes, alegres.

Um amigo é importante,

Não podemos esquecer.

Vamos ser felizes e

Com ele crescer.

Fazer mais amigos é

Muito legal.

Vamos nos divertir

E com todos brincar.

Filipe Cezar dos Reis Almeida, 5ª série A, livro Projeto Palavra em ação, IV – Projeto Literário do Colégio Moraes Rego.

A grandeza do mar, de Paulo Roberto Gaefke

A grandeza do mar, de Paulo Roberto Gaefke

Você sabe por que o mar é tão grande?
Tão imenso? Tão poderoso?
É porque teve a humildade de colocar-se alguns centímetros
abaixo de todos os rios.
Sabendo receber, tornou-se grande.
Se quisesse ser o primeiro, centímetros acima de todos os rios,
não seria mar, mas sim uma ilha.
Toda sua água iria para os outros e estaria isolado.
A perda faz parte.
A queda faz parte.
A morte faz parte.
É impossível vivermos satisfatoriamente.
Precisamos aprender a perder, a cair, a errar e a morrer.
Impossível ganhar sem saber perder.
Impossível andar sem saber cair.
Impossível acertar sem saber errar.
Impossível viver sem saber morrer.
Se aprenderes a perder, a cair, a errar, ninguém mais o controlará.
Porque o máximo que poderá acontecer a você é cair, errar e perder.
E isto você já sabe.

Bem aventurado aquele que já consegue receber com a mesma naturalidade
o ganho e a perda, o acerto e o erro, o triunfo e a queda, a vida e a morte.

Retirado do livro “Quando é preciso Viver”

 

A meus filhos, de Flora Figueiredo


Estou aqui ao lado, 
à margem de seu caminho, 
vendo você passar. 
Quero que vá sozinho 
mas me mantenho por perto. 
Se o rumo é certo, 
me aprumo e aplaudo; 
se é via tortuosa, 
jogo-lhe aos pés uma rosa 
pra que desviando dela 
você chegue a outro lugar; 
se a sombra é fria, 
mando-lhe um beijo quente; 
se o chão queima do sol nascente, 
estendo-lhe a poesia 
para que o possa atenuar, 
se não houver alimento, 
peço ao vento 
sementes que lhe tragam vida. 
Para a sede, 
roubo do céu a lágrima caída da madrugada. 
Mas se você não precisar de nada, 
ainda assim eu estarei vigiando, 
escondida talvez atrás de um querubim. 
Abençoarei sua vida e sua estrada, 
mesmo que já esteja transformada 
na forma clara e casta de um jasmim. 
                                                                     “Florescência”. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.

Agradecer, de Bert Hellinger

“Agradecer significa:

Tomar o que me é dado,

Segura-lo com respeito nas mãos,

Acolhe-lo dentro de mim,

Em meu coração,

Até que percebo internamente:

Agora é uma parte de mim.

Agradecer é também:

Aplicar o que me foi dado

E se tornou uma parte de mim

Numa ação que permita a outros

Alcançar também

O que me enriqueceu

Só então o que me foi dado

Alcança sua plenitude.”

Do livro Pensamentos a Caminho, de Bert Hellinger

Esperança, de Mario Quintana

Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança…
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA…
(Mario Quintana in, “Nova Antologia Poética”.)

Deus está em toda parte, de Carlos Torres Pastorino

Deus está em toda parte ao mesmo
tempo, ao redor de você, dentro de você!
Jamais você está desamparado.
Nunca está só.
Não permita que a mágoa o perturbe:
procure manter-se calmo, para ouvir a voz
silenciosa de Deus dentro de você.
Assim, poderá superar todas as dificuldades
que aparecerem em seu caminho, e
há de descobrir a Verdade que existe em
todas as coisas e pessoas.


                  Livro: Minutos de Sabedoria, Carlos Torres Pastorino