Uma casa de professoras!

Somos 12 irmãos, filhos da D. Mirinha: Aídes, Almira, Almir, Almerides e Almerinda, Adenilson, Adalécio, Alzerides e Alzerinda, Alzelina, Almerise e Antonio; desses Almerinda, Alzerinda, Alzelina e Antonio nos deixaram ainda bem cedo. Vivemos sempre juntos, estudamos na mesma escola no Colégio São Vicente de Paulo, em Bom Jesus da Lapa/BA. Naquela época não tínhamos muitas opções, os meninos cursavam técnico em contabilidade e nós curso normal, formaríamos professoras.

Ao concluir o curso normal, minha irmã mais velha, decidiu vir pra Brasília. Aqui prestou concurso da Fundação Educacional, começou a exercer a profissão, passou no 1º vestibular da Católica de Brasília para pedagogia;

No ano seguinte em vim pra cá, também prestei concurso da Fundação, mas antes que fosse convocada fui trabalhar na Biblioteca da Católica, onde fiquei por 10 anos, nesse tempo a Católica funcionava no Colégio Marista em Taguatinga; no ano seguinte prestei vestibular na UnB pra pedagogia e por um bom tempo fiquei dividida entre essas duas paixões: sala de aula e biblioteca; optei pela Biblioteca e optei também na UnB por biblioteconomia, concluir pedagogia mais tarde.

Naquela época todos os anos eu ia a Lapa visitar meus pais, parentes e os muitos amigos, quando eu voltava trazia comigo um irmão, eu acreditava que em Brasília as chances eram maiores para todos.

Trilhamos os mesmos caminhos, não sabemos por que, mas somos professoras e minhas irmãs apaixonadas por lecionar, por sala de aula; Aídes e Almerides já estão aposentadas, mas cumpriram lindamente essa missão.

A Almerise ainda está na Secretaria de Educação e leciona na numa escola-classe de Samambaia; a exceção foi a Alzerides que não fez curso de pedagogia, mas lecionou por muitos anos em escolas no interior da BA.

Nesse dia 15 de outubro quero prestar essa homenagem a todos os professores especialmente às minhas dedicadas irmãs.

Profª Neusa

É assim que minha mana é conhecida no interior da Bahia principalmente em Gameleira e Sítio do Mato, onde por muitos anos e ainda hoje é professora.
Querida e conhecida por sua dedicação, carinho e amor à sua profissão. Quantos já foram alfabetizados por ela, quantos mudaram o rumo de suas vidas a partir de seu incentivo e palavras de apoio.
Hoje no seu aniversário aproveito para registrar o quanto admiro minha mana e o quanto tenho orgulho de ser sua irmã.
Que Papai do Céu a abençoe sempre!

Filipe chegou!

Meu filho chegou. Como é bom revê-lo, abraça-lo e conversar, conversar… e tantas novidades! Penso que essas viagens são como pequenos ensaios para deixar o ninho e para alçar voôs mais altos, mais longe… ganha em experiência e força.

Festa de Natal

Durante o ano a gente pode até não se encontrar muito, mas o almoço de Natal já é tradicional; todos os anos fazemos um almoço na casa de um dos irmãos, e fazemos amigo-oculto, bingo, brincadeiras e aparecem muitas histórias…

Neste Natal nos reunimos na casa do Adenilson e mesmo faltando alguns sobrinhos, a festa foi muito boa e registramos:

irmãos reunidos