Meu poeta! Nó

O dia é mais frágil do que a flor;
Mais breve do que a vida
que há em cada pétala.
Às vezes, não sei como desatar
O nó singelo da poesia.
Meu amor tinha a ilusão de ser como o dia:
Auto-alimentar-se com a sua energia.
– Meu Deus!
Quanta engenhosidade há na poesia:
Mágoa e denúncia;
Amor e concupiscência,
Saudade e tristeza,
Nostalgia e agonia.
Às vezes, não sei como desatar
O nó górdio da poesia;
– Mas me digam quem saberia?

Um comentário sobre “Meu poeta! Nó

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s